sexta-feira, 25 de julho de 2014

terça-feira, 22 de julho de 2014

Colher morangos, sentir a brisa tocar a face, cada dia é uma saudade, cada dia são horas que não voltam. Dá uma vontade de parar o tempo ou ao menos pedir: - Passe bem devagarinho!
Fique Alves
(Raquel Pereira)

sábado, 19 de julho de 2014

Simplesmente Alves


 
( Raquel Pereira)
 

A escrita tem o poder de aproximar as pessoas que nunca se quer se olharam.
Tem o poder de provocar alegria nos lábios mesmo  sem o ouvido ter escutado som algum.
A escrita tem o poder de criar diálogos com dois seres que se encontram, apenas com o toque das mãos, com olhos entrelaçados é um encontro de alma.
Alves pra mim foi assim e sempre será um encontro de almas, almas que anseiam tantas coisas e que em dado momento se entrelaçam em uma conversa duradoura.
Hoje chorei um pai, chorei um irmão, chorei um amigo, chorei o ser humano Alves, chorei o educador, chorei o escritor que preencheu os meus dias com tanta poesia.
Só quem tem a sensibilidade consegue tocar a alma das pessoas com as palavras. Você foi assim Rubem uma leve brisa que acariciou meu rosto e que vai ser eternizado por um legado tão maravilhoso.
O corpo vai mas Rubem Alves fica.

 

segunda-feira, 14 de julho de 2014

Reflexões da alma






(Raquel Pereira)



O vazio do meu quarto é muito parecido com o da minha alma.

A minha dor escrevo com  papel e lápis.

A minha cama afaga o meu corpo,
já o travesseiro enxuga minhas lágrimas.
As paredes testemunham, não há o que ver, só sentir!
Não há palavras, os lábios trêmulos desabam.
São noites solitárias, onde o quarto se faz aconchego,
 e  em meio a tanto sentimento a alma faz o  seu processo:
 Reflito a vida, sem amarras, sem culpas, sem versos.
 

sexta-feira, 4 de julho de 2014

Bonito é olhar com bons olhos a alegria do outro.
Ficar feliz pelo simples sorriso de um irmão, ou chorar com a dor que machuca como se a dor nos machucasse também
.(Raquel Pereira)